5 de fev de 2013

Era uma vez...



Conheça os benefícios de contar histórias para as crianças – Por Lu Faria


                Dentre os meios de aproximar pais e filhos desde cedo, a leitura é um ótimo caminho. Ouvir alguém narrar histórias e elaborar os personagens do seu jeitinho, na sua própria cabeça, estimula a criatividade e a imaginação - itens que, quanto antes forem trabalhados, melhor. “É errado pensarmos que a criatividade é um ‘dom’, algo inato. Desde cedo ela deverá ser estimulada para que a pessoa desenvolva esta habilidade, e a leitura é um modo de fazer isso”, afirma o psicólogo Lucas Faria Gonçalves.
                Segundo ele, trabalhar com a criatividade das crianças auxilia, por exemplo, na hora de solucionar algum problema mais tarde. “Talvez você já tenha se perguntado quando viu alguém resolvendo algo ‘Como será que ele pensou nisso?’. Certamente, a pessoa que resolve um problema de uma forma nova deve ser bem criativa. Ao contrário, ela chegaria à solução por meio de formas ‘tradicionais’, ‘ensinadas’, ‘seguindo fórmulas’. E, se não conseguisse, provavelmente desistiria”, explica.

Uma criança com imaginação será um adulto criativo.
Outros benefícios que a leitura pode trazer na formação dos pequenos é o estímulo às noções de valores, raciocínio e senso crítico. “Os contos de tradição oral estão carregados de significados, lições, aprendizagens – enfim - de caminhos que podemos percorrer desde muito cedo no imaginário e que nos ajudam a compreender e estruturar nossas experiências de vida”, conta a narradora profissional de histórias Clara Haddad.
Ela explica que, ao contar narrativas, vários aspectos internos da criança são trabalhados. Por exemplo, as histórias que trazem mistérios irão exigir do raciocínio da criança para desvendá-los e então concluí-las. Já nos contos que trazem heróis, a questão do bem e do mal, dos valores serão trabalhados. E, de modo geral, Clara aponta o benefício do desabrochar da imaginação, já que as histórias nos levam a explorar outras dimensões não palpáveis.

"A leitura fará com que a criança dê vida aos seus personagens, dê forma, dê cor", afirma Lucas.
Dentre os autores para os pequenos, ela recomenda Jimmy Liao, Shaun Taun, Susy Lee, além dos brasileiros Ruth Rocha, Monteiro Lobato, Tatiana Belink e Chico dos Bonecos.  Clara também vê com mais proximidade a relação das crianças com a literatura. “A ilustração e as edições dos livros infantis estão cada vez mais elaboradas e com melhor qualidade. Além disso, existem mais contadores de histórias, é uma arte que está voltando com muita força”, conta.
Participar das rodas de histórias é uma atividade interessante, pois estimula a criança a buscar pelos livros, já proporcionando desde cedo seu interesse pela literatura. Interesse inclusive que não pode ser abandonado mesmo depois de adulto, pois a leitura é um meio de manter o cérebro sempre trabalhando. “Pesquisas mostram que as pessoas que assistem mais à televisão e, portanto, não possuem o hábito da leitura tão desenvolvido, possuem uma propensão maior a desenvolver o Mal de Alzheimer. Isso pelo fato do cérebro não se "exercitar" enquanto você vê televisão (as imagens, os personagens, tudo está pronto!), diferentemente do que ocorre quando você lê!”, conta Lucas. Um ótimo meio de fazer isso é contar histórias para os filhos: os dois lêem, imaginam, trocam ideias e compartilham deliciosas horas juntos.
Após ter aprendido com a avó e se especializado na área, Clara Haddad roda o mundo com suas história
Obrigada mais uma vez pela sua participação Lú, é sempre muito enriquecedor para o blog, as leitoras adoram!!


Beijos, Aninha!
:)

Um comentário:

  1. Obrigada pelo espaço no blog, Aninha! Espero que gostem :) um grande beijo!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário!